Série: Jane, the virgin

Confesso que sou uma pessoa difícil para gostar de séries. E antes de decidir acompanhar uma, levo em conta o gênero, enredo e personalidade dos personagens. Afinal, tem que rolar no mínimo uma identificação, né? E com “Jane, the virgin”, me senti completamente satisfeita a respeito de minhas três exigências. E como é uma série nova, que ainda está em sua primeira temporada (e vai ser renovada! Yay!), decidi dar-lhes uma resenha.

Sinopse: quando Jane (Gina Rodriguez) era mais nova, a avó dela a convenceu de duas coisas: telenovelas são a melhor forma de entretenimento, e mulheres devem proteger a virgindade a qualquer custo. Agora, aos 23 anos, a vida de Jane tornou-se tão dramática e complicada quanto as telenovelas que ela sempre amou, após uma série de surpreendentes eventos que fizeram com que ela fizesse, acidentalmente, uma inseminação artificial.

Primeiro, preciso dizer que me apaixonei por Jane Gloriana Vilanueva! Desde o primeiro episódio, ela se mostra uma garota doce e madura, que tenta lhe dar com a série de problemas que aparecem em sua vida de uma vez só sem machucar ninguém. E embora seja uma comédia das boas, a série esta recheada de drama, drama e mais drama. O que eu adoro! E os personagens secundários também fazem por merecer. Temos Xiomara, a mãe de Jane que é uma perua da segunda idade com um coração enorme e o sonho de ser cantora. Além disso, a história também mostra seu pai que é um astro de novelas mexicanas e sua vó, uma senhora totalmente puritana. O enredo inclui bastante personagens e no fim, todas as histórias se misturam, o que é incrível. Assisto e recomendo, creio que amarão a série!

Anúncios